Mama, Nódulos e outros Problemas de

Mama, Nódulos e outros Problemas de

 Câncer de mama — como evitá-lo

 

Aparece em cerca de 12% das mulheres nos Estados Unidos. No mundo, registraram-se cinco milhões de casos na década de 80. Número preocupante.

Quando se descobre a doença no seu início, o prognóstico é muito favorável. Por isso, é muito importante realizar um auto-exame mensal após a menstruação. Tome isso por hábito. Cerca de 80% dos casos são diagnosticados pela própria mulher com a simples palpação, para verificar se há “caroços” na mama e/ou nas axilas, ou se o seio está grande e inchado, ou se há depressões ou locais aumentados. Deve-se também apertar delicadamente o mamilo para ver se há secreção ou sangramento. A mamografia deve ser realizada periodicamente (de dois em dois anos, ou conforme orientação médica), já a partir dos 35 anos, especialmente se há casos da doença na família.

Conheça os tumores benignos de mama

 

Nem todo caroço é câncer. A displasia, presente em 40% das mulheres, é um espessamento dos tecidos mamários devido a desequilíbrios hormonais. Ocorre dor, sensação de peso e formação de nódulos, principalmente antes da menstruação. Os fibroadenomas são tumorações benignas, de crescimento lento, que aparecem mais em jovens. São nódulos endurecidos, bem delimitados, móveis à palpação, que não causam retração na superfície da mama. A maior parte dos tumores detectados à palpação (cerca de 80%) são fibroadenomas.

Os tumores benignos de mama são localizados, com estrutura semelhante aos tecidos da própria mama. Quase todos estão fechados dentro de uma cápsula fibrosa. O fibroadenoma, como vimos, é um dos mais comuns. Apresenta-se como nódulo pequeno e duro. À medida que cresce, pode provocar hemorragia, necrose, calcificação e dor. Dificilmente se converte em nódulo maligno. A contribuição de distúrbios hormonais é decisiva no aparecimento de fibroadenomas, comuns em mulheres jovens, quando há maior atividade de estrógeno. Cresce lentamente, mas durante a gravidez cresce mais rápido. Pode exigir cirurgia para extirpação. Em muitos casos, uma biópsia poderá ser solicitada, para se ter certeza da natureza do tumor.

A mastopeastia fibrocística também assusta as mulheres, pois costuma incomodar.

Os tumores benignos, segundo a naturopatia, são em grande parte resultado do estilo de vida, de fatores hormo­nais e genéticos, uso e abuso de drogas, e hábitos alimentares inadequados, como ingestão excessiva de laticínios, gordura animal e doces. A presença de hormô­nios sintéticos nas carnes e nos laticínios, entre outros conta­mi­­­nantes acidentais e propositais, desestabiliza o delicado­ equilíbrio hormonal feminino, favorecendo proliferações celulares: os tumores. Esses fatores externos agem sobre um fator interno decisivo, que é a susceti­bilidade individual. Por razões genéticas, cada um de nós tem seus “pontos fracos”, órgãos ou sistemas mais sujeitos a apresentar problemas. Os nódu­­los de natureza maligna são explicados de modo semelhante.

Muitas vezes, os tumores da mama são confundidos com ingurgitamentos dos gânglios, que aparecem e desaparecem ciclicamente, antes e durante a menstruação.

 

 

 

Acidentalmente, Maria descobre um “caroço” na mama. Como não dói, parece não ser nada grave. Esquece-se do assunto por meses. Num dia não imaginado, porém, sente ligeira fisgada no local. Assusta-se ao notar que o pequeno caroço mais do que triplicou de tamanho. Procura, então, um médico. Solicita-se a biópsia, que revela o que Maria não gostaria de saber: é câncer mesmo. Como demorou para descobrir, o tumor se havia alastrado perigosamente a ponto de exigir imediata intervenção cirúrgica. O jeito é fazer a mastectomia radical, ou retirada total da mama afetada. Não teria sido talvez necessária medida tão drástica se Maria tivesse procurado o médico logo no começo, quando o câncer era ainda bem pequeno.

 

Os nódulos de mama sempre requerem avaliação médica.

Alimentação

A alimentação moderna oferece inúmeros fatores de desestabilização do organismo, como os hormônios sintéticos, administrados inescrupulosamente ao gado por mera ganância. Aliados a isso, os aditivos químicos, as guloseimas, as gorduras, a deficiência de fibra, o açúcar e o excesso de laticínios tornam nossa alimentação uma das maiores ameaças à vida. Como se não bastasse uma comida ruim, as mulheres fumam, usam drogas, levam vida sedentária e estressante. Basta um desses fatores para criar condições propícias ao aparecimento de problemas nos delicados sistemas reprodutor e endócrino feminino.

Por isso, é básico recomendarmos a adoção de dieta natural, saudável, conforme indicada nos capítulos 4 e 5. Há relatos de melhora de problemas de mama, miomas uterinos e cistos ovarianos mediante tratamento que ajuda a normalizar os hormônios, baseado em desintoxicação, que pode acompanhar o seguinte padrão básico (cada caso poderá exigir ajustes, a serem feitos por profissional experiente):

1. Dieta semicrudista: desjejum e jantar de frutas (preferir o melão).

Lanches de fruta (maçã) ou água-de-coco. Almoço de saladas cruas (em que predominem os brotos), acompanhadas de alguns vegetais cozidos ao vapor, como couve-flor, brócolis, vagem, abóbora etc., e um pouco de arroz integral com tofu.

2. Essa dieta deve ser observada por pelo menos uma semana. Ir, então, acrescentando alimentos mais substanciosos, como amêndoas, grão-de-bico, lentilha, milho verde cozido, coalhada magra etc. Continuar com desjejum e jantar de melão por pelo menos mais uma ou duas semanas.

3. Pacientes cuja atividade seja desgastante não poderão suportar muito tempo essa dieta. Talvez tenham de adotá-la por uns cinco dias, e logo mudar o cardápio: apenas uma refeição de melão, e demais refeições naturistas normais.

4. Entre as refeições, tomar água com limão e própolis, pelo menos uma vez ao dia.

Esse tratamento às vezes produz eliminações inesperadas, acompanhadas de corrimento mucopurulento.

5. Mastigar completamente os alimentos. Comer sem pressa. Isso é importantíssimo à boa nutrição, pois vivemos não do que se come, mas do que se assimila.

6. Tomar, depois de dez dias de desintoxicação, duas cápsulas diárias de 1.000mg de óleo de germe de trigo, ou dosagem indicada por um profissional.

7. Pesquisas do Dr. Fredericks, da Universidade Fairligh Dickinson (New Jersey), com duzentas mulheres, mostraram que o consumo regular de levedura de cerveja, ligado ao adequado suprimento das necessidades de ferro e proteínas, diminui consideravelmente a incidência de distúrbios femininos, como a ocorrência de cistos nos seios. Sugerem-se de nove a quinze comprimidos diários de 500mg.

 

Plantas*

* Lembrete: nódulos de mama devem ser imediatamente avaliados por um médico. Sugestões naturais não devem suprimir sua avaliação ou seu tratamento.

O programa fitoterápico deverá ser administrado por um profissional instruído nessa arte.

Em geral, sugere-se uma mistura de plantas depurativas, como dente-de-leão, cavalinha, tanchagem, chapéu-de-couro e camomila. Duas colheres, das de sopa, para meio litro de água. Ferver e filtrar. Tomar de duas a três xícaras ao dia por duas semanas.

Em seguida, escolher uma das seguintes plantas: casca-de-anta ou agoniada. Ver a seguir modo de preparo. Escolher outra planta (como a artemísia ou o daikon), e tomar mais uma semana. Artemísia deve ser empregada bem diluída, só uma xícara diária. Ver a seguir modo tradicio­nal de preparo. Interromper por uma semana, para tomar apenas água com limão de duas a três vezes ao dia. Repetir o procedimento, mudando as plantas:

Agoniada — Derramar meio litro de água fervente sobre uma colher, das de sopa, da casca picada, duas xícaras ao dia.

Artemísia — Ferver uma colher, das de chá, da planta picada em meio litro de água. Uma xícara por dia.

Barbatimão — Ferver uma colher, das de sopa, da planta picada em meio litro de água. Duas xícaras diárias.

Camomila — Derramar meio litro de água fervente sobre uma colher, das de sopa, das flores. De uma a duas xícaras diárias.

Casca-de-anta — Ferver uma colher, das de sopa, da casca picada em meio litro de água. Duas xícaras por dia.

Daikon — Ou folhas de nabo comprido japonês. Tomar o cozimento três vezes ao dia. Ferver duas colheres, das de sopa, das folhas picadas em meio litro de água.

Velame-do-campo — Ferver uma colher, das de chá, das folhas e das raízes picadas em meio litro de água. De uma a duas xícaras por dia.

Urtiga-branca: Ferver uma colher, das de chá, das flores picadas em meio litro de água. De uma a duas xícaras por dia.

Sugestões naturais*

Banhos e aplicação de argila

 

Aplicar na mama e no abdome, argila limpa e peneirada duas horas por dia.

Tomar um banho quente de assento, de quinze minutos, antes de dormir. Tomar banhos frios rápidos, seguidos de fricção com água fria para estimular a circulação geral. Pelo menos três vezes por semana, um banho genital.

 

* Sugestões naturais podem apresentar, na prática, bons resultados, mas não suprimem o estudo das causas e a orientação médica.

 

Os seguintes remédios tradicionais são indicados:

Manteiga de cacau — em aplicação local, para prevenir rachaduras.

Marmelo — Triturar em um pouco de água as sementes do marmelo (em liquidificador). Coar e aplicar cataplasmass locais.

Pepino — Cataplasmas locais com a polpa de pepino.

Tanchagem com confrei — Lavar bem, e liquidificar uma folha de cada uma dessas plantas com um pouco de água. Coar e aplicar localmente, várias vezes ao dia, com algodão. O mesmo efeito se obtém com as flores do juciri.

 

 

Você sabia?*

Urtiga-branca (Lamium album)

É tradicionalmente indicada para combater bronquite, menstruação irregular etc.

Modo de usar: Ferver 10g das flores em ½ litro de água. Tomar de 1 a 2 xícaras por dia.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.